Seja um Seguidor deste Blog

Me adicionem no Linkedin

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

UM EM CADA DEZ TIJOLOS VIRA ENTULHO EM CANTEIROS DE OBRAS NO BRASIL

Destaco abaixo interessante texto sobre desperdício na área de construção civil. Sempre destaquei nas minhas aulas que na área de contrução civil encontramos um nível de perda enorme. O deperdício em uma obra pode alcançar 30, 40% ou mais. Aliado a isso ainda existe o fato do Brasil estar na idade da pedra em termos de utilização de tecnicas modernas que envolvem " dry wall", utilização de materiais e equipamentos modernos que implicam em menores custos e maior qualidade.





DadosTamanho da fonte do Limpurb (Departamento de Limpeza Urbana) da Prefeitura de São Paulo revelam que 10% de todos os materiais entregues em canteiros de obras são desperdiçados. Sistemas mais inteligentes, como a das Paredes Duplas, diminuem o entulho e são ecologicamente corretos
A imprecisão na compra, a ineficiência no processo de construção artesanal e os equívocos na elaboração e execução dos projetos, somados às perdas no transporte e no armazenamento, representam desperdício de 10% nos canteiros de obras no Brasil.
Todos os meses o Limpurb (Departamento de Limpeza Urbana) da capital paulista recolhe cerca de 144 mil m³ de entulho. Extra-oficialmente estima-se que essa quantidade seja três vezes maior. Dos materiais descartados, 65% são produtos inertes como argamassas, concretos e telhas.
O fato chama a atenção de ambientalistas e vira problema de saúde pública em grandes centros urbanos, que encontra dificuldades na deposição dos resíduos. Em poucos anos, estima-se que a escassez de lugares para descarte elevará o preço para aterrar o material.
Além da reciclagem, que favorece o reaproveitamento do concreto estrutural de RCD (resíduos de construção e demolição) e de centrais dosadoras em relação aos tijolos cerâmicos e argamassas, a alternativa ecologicamente correta é o uso intensivo de sistemas inteligentes, automatizados, eliminando as improvisações nos canteiros e otimizando o custo.
O uso de sistemas construtivos como o das Paredes Duplas, por exemplo, garante o controle e o gerenciamento simplificado da obra, reduzindo o tempo efetivo de execução do projeto e envolvendo menos mão-de-obra, o que em última análise também significa menos riscos de acidentes. O layout fica enxuto, já que o sistema não requer estocagem de grandes quantidades de materiais.
Para Fabio Casagrande, diretor da Sudeste®, divulgar as vantagens construtivas e as possibilidades arquitetônicas é imperativo para que a industrialização do setor da construção no Brasil atinja níveis comparáveis a de países mais desenvolvidos. "A construção precisa de uma base lógica. Se você pega uma parede dupla, por exemplo, pode inserir materiais nos vãos, como resíduos de pneus agregados ao concreto, ajudando a diminuir o descarte de um material que já não teria serventia alguma".
De acordo com Casagrande, da tecnologia Paredes Duplas Sudeste® resultam peças com maior capacidade de carga, o que evita deformações e fissuras, patologias mais comuns no sistema construtivo convencional.
Quanto à geração de resíduos é importante que esta seja uma preocupação ainda na fase inicial do projeto, em sua concepção. A racionalização dos materiais e a eficiência serão determinantes para uma obra limpa e sem prejuízos, o que certamente garantirá economia no bolso e melhor qualidade de vida, em razão de menos poluição ao ambiente.

O QUE O SEU PERFIL NO ORKUT DIZ SOBRE O SEU LADO PROFISSIONAL?

As comunidades que participa e o que escreve podem prejudicar a sua imagem na empresa ou até em uma entrevista de emprego. Especialista em mercado de trabalho fala sobre o assunto e ajuda a identificar os pontos negativos na sua página pessoal


São Paulo, setembro de 2009 - O Orkut é um site de relacionamentos muito utilizado pelos brasileiros e nele pode ser acrescentado ao perfil o que quiser. Além disso, também é possível participar das mais diversas comunidades que se tenha interesse e familiaridade. "Mas o problema é quando isso invade a vida profissional", diz Renato Grinberg, diretor Geral do portal de empregos Trabalhando.com.br. "Comunidades como 'Eu odeio trabalhar' e 'Detesto receber ordens', por exemplo, podem agregar valor negativo à imagem do funcionário", acrescenta.


Por isso, é preciso tomar cuidado com o que é colocado na internet, pois a visibilidade é muito grande. O Orkut, em especial, domina o mercado de redes sociais no Brasil com, aproximadamente, 18 milhões de usuários no país, segundo dados fornecidos pelo Google. Isso corresponde a 51% dos usuários da ferramenta em todo o mundo. E hoje não só jovens utilizam a ferramenta, como era quando ela surgiu, em 2004, mas também pessoas mais velhas, que já se comunicam por meio dele.


Para que seu Orkut não o prejudique, Renato Grinberg apresenta perfis comuns entre os usuários que precisam ter atenção redobrada para não gerar conseqüências à imagem profissional. E alerta: "Caso se identifique com alguns deles, cuidado! Pode estar na hora de mudar".


O preguiçoso - É aquela pessoa que diz odiar acordar cedo e assume não gostar de trabalhar. Normalmente, o preguiçoso participa de várias comunidades que visam confirmar essa característica. As mais comuns são: "Eu odeio acordar cedo" e "Se trabalho fosse bom não era pago";

O acomodado - "Se nada der certo viro hippie". Quase 300 mil pessoas compartilham do mesmo desejo caso seus planos não vinguem no futuro. O acomodado não possui ambição de crescer profissionalmente e está feliz na posição que ocupa na empresa. A impressão que passa ao chefe ou recrutador é de que essa pessoa não tem visão de futuro que possa contribuir para o crescimento da companhia;

O bitolado - Essa é uma pessoa que gosta somente de uma coisa em específico. Pode ser um gosto musical, ideais e até mesmo uma única visão para a área de atuação. Isso é revelado nas diversas comunidades que participa sobre o mesmo tema, nas fotos e também na descrição do perfil escrita pelo usuário. Todos temos preferências, mas é preciso tomar cuidado para não parecer inflexível;

O baladeiro - Ele faz questão de mostrar a todos que gosta - e muito - de festas. Até então não há problemas, essa é uma questão pessoal que não influencia no trabalho. Mas a questão se agrava quando a situação é exagerada e as comunidades mostram irresponsabilidade. Como por exemplo: "Da balada ao trabalho" e "Eu trabalho de ressaca". Com isso, essa pessoa mostra ser irresponsável e que não se importa com bom desempenho no dia seguinte;

O reclamão - É aquela pessoa que reclama de tudo: da vida, do trabalho, dos compromissos, dos chefes e até mesmo dos amigos. Normalmente adere a diversas comunidades que começam com "Eu odeio", é pessimista e nunca está satisfeita. Imagine se o seu chefe olha seu Orkut e, de repente, encontra a comunidade "Eu odeio meu chefe". O mais curioso é que as pessoas já sabem que correm esse risco e aderem à "Socorro, meu chefe está no Orkut!". Assim sendo, é melhor rever seu perfil para que seu trabalho não seja comprometido.

Como ressalta Grinberg, é importante esclarecer que não precisamos esconder nossas preferências aos amigos nas redes sociais, mas é importante ter cautela. "As informações pessoais tornaram-se públicas, uma vez que inseridas e disponibilizadas na internet. Isso quer dizer que qualquer pessoa pode ter acesso", diz. "Não vejo problemas em mostrar sua personalidade por meio desses sites de relacionamento, mas antes de tudo, use o famoso bom senso", recomenda.

PEQUENAS EMPRESAS DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES PODEM SER BENEFICIADAS PELA SIMPLIFICAÇÃO DO IFRS

Normas anunciadas do Internacional Accounting Standard Board (IASB) podem ajudar na melhoria da gestão e garantir crescimento sem traumas, diz Sispro

As grandes companhias de capital aberto ou limitado que necessitam atender à lei 11.638 já estão caminhando rumo à convergência contábil internacional prevista para 2011. Para as pequenas e médias empresas de logística e transporte esta convergência pode trazer a mudança necessária no modo como os administradores tocam seus negócios, a partir da aplicação das normas anunciadas pelo Internacional Accounting Standard Board (IASB), que foram simplificadas para atender aos pequenos e médios negócios.

De acordo com analistas da Global/Sispro, a simplificação das regras anunciadas pelo IASB irá trazer vantagens para os pequenos em médios negócios, mas os administradores e profissionais contábeis deverão aplicar um planejamento para que possam conduzir a gestão realmente alinhada com as melhores práticas contábeis propostas pelo IASB.

Para Gilberto Oliveira, especialista em gestão de Patrimônio e Impairment da Global/Sispro, ao adotarem estas novas práticas, as empresas poderão superar as dificuldades normalmente encontradas quando iniciam este novo processo. "Até mesmo as grandes companhias passam por isso. Basta analisar a situação das companhias limitadas que necessitam atender à lei 11.638, reconhecida como o primeiro passo rumo à convergência das normas brasileiras às normas internacionais: estas companhias, como as pequenas e médias, também não possuem a mesma cultura organizacional das S.A. No entanto, não é preciso se assustar com esta nova realidade nem fazer da caminhada rumo à convergência contábil um purgatório. As coisas irão se ajustar a partir desta simplificação das regras", comenta Oliveira.

O especialista também destaca que as novas regras anunciadas pelo IASB facilitam a aplicação de muitos pontos das normas IFRS que envolvem o reconhecimento e mensuração de ativos, passivos, receita e gastos. Diferente do que é exigido das grandes companhias, as revisões do IFRS serão limitadas a uma vez a cada três anos. "Isto é um importante passo para facilitar a vida dos gestores", ressalta Oliveira.

Lourival Vieira, diretor de Marketing da empresa Sispro, também comenta este cenário. Ele afirma que, "quando uma pequena ou média empresa está inserida em um setor ou cadeia de empresas, formando um 'ecossistema', é aconselhável que os gestores conduzam seus negócios com base nas novas regras. Assim, este procedimento trará várias vantagens futuras, tais como estar preparada para eventual abertura de capital, o que resultará na conquista de novos investidores. A melhoria do seu desempenho a partir das novas regras também facilitará o seu relacionamento com os parceiros comerciais, transformando o esforço e investimento desta transição em um processo muito mais natural", comenta o diretor da Sispro, que tem na Global Consultoria como sua parceira no fornecimento de serviços para a adequação do Patrimônio ao IFRS. "Quando crescerem, as pequenas e médias empresas estarão mais bem preparadas para a adoção do IFRS completo e sem traumas", afirma.

sábado, 12 de setembro de 2009

Países que mais poluem

Países que mais poluem nosso planeta


fonte:http://questaoambientaldf.wordpress.com

lista dos 50 países que mais poluem o planeta

O título de campeão nas emissões de gases estufa é dos EstadosUnidos, que sozinhos são responsáveis por cerca de um quarto daprodução mundial de CO2, ou 1,48 bilhão de toneladas anuais.

(Além de ser o maior fornecedor de armas altamente destrutivas e poluentes, ser sempre favorável a guerra, a maioria dos americanos não estão preocupados com o meio ambiente, acreditam que com seu poderio, podem dominar o mundo e a natureza, sem saber que sofrerão perdas irrecuperáveis, e quando isso acontecer o dinheiro perderá totalmente seu valor principalmente se entrarmos na era glacial.)

O país que mais polui em termos absolutos, os EUA possuem um dos maiores índices de emissão de gás carbônico per capita. Cada habitante norte-americano corresponde a 5,5 toneladas de carbono lançadas ao ar anualmente.

O lugar do mundo com maior emissão de gás carbônico per capita são as Ilhas Virgens Norte-Americanas, no Caribe, com 33,2 toneladas anuais por habitante.

Brasil

O Brasil está em 17º na lista. Apesar de estar entre os 20 maiores poluidores, o país emite 78 milhões de toneladas, menos do que a vigésima parte do total dos EUA. A emissão per capita no Brasil é de 0,48 toneladas anuais.

O segundo maior poluidor é a China, mais pelo tamanho de sua população do que pelo abuso nas emissões. Entre outros grandes poluidores, tanto no índice total quanto o per capita, estão Rússia, Japão, Austrália, Reino Unido, Itália e Coréia do Sul.

Confira abaixo o ranking de emissões em 1997, ano de assinatura do Protocolo de Kyoto, expresso em milhares de toneladas de carbono (o “C”, do “CO2″):

1 Estados Unidos 1.489.648
2 China 913.768
3 Rússia 390.616
4 Japão 316.164
5 Índia 279.899
6 Alemanha 227.364
7 Reino Unido 142.096
8 Canadá 133.890
9 Coréia do Sul 116.701
10 Itália (incluindo San Marino) 111.323
11 Ucrânia 100.427
12 México 99.964
13 Polônia 95.413
14 França (incluindo Mônaco) 92.878
15 África do Sul 86.532
16 Austrália 86.336
17 Brasil 78.666
18 Irã 78.585
19 Arábia Saudita 72.616
20 Coréia do Norte 68.794
21 Espanha 66.584
22 Indonésia 65.103
23 Tailândia 56.992
24 Turquia 54.042
25 Taiwan 53.475
26 Venezuela 51.144
27 Holanda 44.256
28 Argentina 37.629
29 Malásia 35.710
30 República Tcheca 33.495
31 Cazaquistão 33.471
32 Egito 29.829
33 Romênia 29.390
34 Bélgica 28.127
35 Usbequistão 27.936
36 Argélia 25.973
37 Paquistão 25.588
38 Iraque 24.916
39 Nigéria 22.435
40 Grécia 22.027
41 Singapura 21.909
42 Emirados Árabes 21.697
43 Filipinas 20.249
44 Colômbia 18.551
45 Noruega 18.470
46 Belarus 16.757
47 Áustria 16.557
48 Chile 15.884
49 Hungria 15.874
50 Israel 15.581

Fonte: Carbon Dioxide Information Center