segunda-feira, 12 de novembro de 2018

IAS 16 / CPC 27 - Ativos Imobilizados

Esta postagem está baseada no Na Norma IAS 16 e no Livro Contabilidade Internacional para Graduação




INTRODUÇÃO

O IAS 16 Property, Plant and Equipment estabelece procedimentos contábeis para o ativo permanente imobilizado.

Os principais aspectos considerados, no âmbito do normativo, são o reconhecimento dos ativos, a mensuração, a depreciação e as perdas por imparidade desses ativos


Fonte da Figura :
 https://www.ifrsbox.com/ias-16-property-plant-and-equipment/






ESCOPO

O IAS 16, ao definir seu escopo, exclui do âmbito de sua aplicação os seguintes itens:

I - ativos fixos tangíveis classificados como disponíveis para venda, de acordo com o IFRS 5 Non-current Assets Held for Sale and Discontinued Operations;
II - ativos biológicos, relacionados à atividade agrícola, nos termos do IAS 41
Agriculture;
III - o reconhecimento e a mensuração de ativos destinados a exploração e avaliação de recursos minerais, nos termos do IFRS 6 Exploration for and Exploration of mineral resources;
IV - direitos minerais e reservas minerais tais como petróleo, gás natural e  recursos não renováveis semelhantes.

Destaca-se, por oportuno, que os ativos permanentes utilizados para desenvolver ou manter os ativos descritos nos itens II a IV, acima, devem ser contabilizados atendendo ao disposto no IAS 16.





DEFINIÇÕES E TERMOS CHAVE




O IAS 16 apresenta um conjunto de definições, com vistas a dirimir dúvidas quanto aos conceitos empregados. Nesse sentido, as principais são as seguintes:




I - Valor contábil - é o valor pelo qual um ativo é reconhecido, após a dedução de qualquer depreciação acumulada e perdas por imparidade acumuladas;

II - Custo - é a quantidade de recursos paga e o valor justo de qualquer outro item utilizado para adquirir um ativo, no momento de sua aquisição ou construção;

III - Valor depreciável - é o custo de um ativo ou outro valor representativo do custo, menos o valor residual do ativo;

IV - Depreciação - é a distribuição sistemática do valor depreciável de um ativo, ao longo de sua vida útil;

V - Valor específico para a entidade - é o valor presente dos fluxos de caixa futuros que uma entidade espera que resultem do uso continuado de um ativo e da sua alienação no final da sua vida útil ou que se espera obter ao liquidar um passivo;

VI - Valor justo - é o valor pelo qual um ativo pode ser negociado, ou um passivo liquidado, entre partes interessadas e devidamente informadas, em uma transação realizada em condições normais de mercado (igualdade e de independência);

VII - Perda por imparidade - é o valor pelo qual o valor contábil de um ativo excede ao seu valor recuperável;

VIII - Ativos permanentes imobilizados (property, plant and equipment ) - são ativos tangíveis que:

a) sejam destinados ao uso na produção ou fornecimento de bens ou serviços, para arrendamento a terceiros, ou para fins administrativos; e






b) espera-se sejam utilizados por mais de um período.

IX - Valor recuperável - é o maior valor entre o preço de venda líquido de um ativo e o seu valor de uso;

X - Valor residual de um ativo - é o valor estimado que a entidade obteria atualmente na alienação de um ativo, após a dedução dos custos estimados de alienação, caso o ativo já tivesse a idade e as demais condições esperadas no final de sua vida útil;

XI - Vida útil - é o período durante o qual uma entidade espera que um ativo esteja disponível para uso ou o número de unidades de produção ou semelhantes que uma entidade espera obter do ativo.



Objetivo das Demonstrações Contábeis

O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil para ativos imobilizados, de forma que os usuários das demonstrações contábeis possam discernir a informação sobre o investimento da entidade em seus ativos imobilizados, bem como suas mutações. Os principais pontos a serem considerados na contabilização do ativo imobilizado são o reconhecimento dos ativos, a determinação dos seus valores contábeis e os valores de depreciação e perdas por desvalorização a serem reconhecidas em relação aos mesmos.

Apresentação Justa e cumprimento com as IFRS

Este pronunciamento estabelece os princípios para o reconhecimento, mensuração, apresentação e divulgação de arrendamentos. O objetivo é garantir que arrendatários e arrendadores forneçam informações relevantes de modo que representem fielmente essas transações. Essas informações fornecem a base para que usuários de demonstrações contábeis avaliem o efeito que os arrendamentos têm sobre a posição financeira, o desempenho financeiro e os fluxos de caixa da entidade.

Continuidade

A norma internacional não prescreve o critério de materialidade utilizado para definir se um ativo deve ser reconhecido no imobilizado. Por outro lado, o pronunciamento informa que pode ser adequado registrar determinados itens não materiais no imobilizado e aplicar os critérios do imobilizado pelo valor global.

Alguns ativos podem ser adquiridos por questões de segurança ou de natureza ambiental. Nesses casos, embora não diretamente vinculados à geração de fluxos de caixa da entidade, contribuem para sua continuidade.



EVIDENCIAÇÕES




evidenciação contábil, a norma internacional traz um volume de informações a serem divulgadas, a saber:


I - os critérios de mensuração usados para determinar o valor contábil bruto;
II - os métodos de depreciação usados;
III - as vidas úteis ou as taxas de depreciação utilizadas;
IV - o valor contábil bruto e a depreciação acumulada (agregada com perdas por imparidade acumuladas) no início e no fim do período;
V - reconciliação do valor contábil bruto no início e no fim do período, apresentando:
a) adições;
b) ativos classificados como mantidos para venda ou incluídos em grupo para alienação, de acordo com o IFRS 5, além de outras alienações;
c) aquisições por intermédio de combinações de empresas;
d) aumentos ou reduções resultantes de reavaliações e de perdas por imparidade reconhecidas ou revertidas diretamente no capital próprio;
e) perdas por imparidade reconhecidas nos resultados;
f) perdas por imparidade revertidas nos resultados;
g) depreciações;
h) as diferenças cambiais líquidas resultantes da conversão das demonstrações contábeis da moeda funcional para uma moeda de apresentação diferente, incluindo a conversão de uma operação estrangeira para a moeda de apresentação da entidade que relata; e
i) outras alterações.




Vejam também:



Controladoria - Boas Práticas nos Ativos Fixos.
CPC 27 completo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores

Controladoria Palestras custos liderança Consultoria Gestão Controller Contabilidade ética comportamento marketing Livros linkedin IFRS comunicação BSC Material de Controladoria Normas Contábeis Palestra RH compliance planejamento planejamento estratégico postura vagas CPC Crise Palestrante Plano de Negócios auditoria consultor empregos facebook meio ambiente melhores práticas sistemas de custos treinamento BLOCO K Bain Brazil Consultoria de Gestão ERP Ebook Gestão de Custos KPI Logística Mapa Estratégico PME TCC codigo de ética educação estratégia funcionários lider processos produtividade proteção animal qualidade vendas ABC Alpha Premium Balance Scored Card Bancos Blog Brasil CFC CRC CV CVM Comportamento Organizacional Consulting Controladoria de Negócios Controle interno Costs Custo ABC DRE Demonstrativos Financeiros EBITDA EMPRESAS EVA Editora Saraiva Emprego Estagiários FASB FIFA Futebol Indicadores de Desempenho Integridade Interim management Internet Kaizen Marcas e Produtos Missão P&L Planning Qualitymark Redução de Custos SAP STF Transfer Price Treinamentos Unidades de Negócio apostila de controladoria. Controle ações sociais best in class candidatos carreira contábil consultoria financeira controle currículo definição de controladoria desempenho eficiência empreendedorismo estoques evaluation gerentes headhunter jovens profissionais lançamento lucro líder líderes motivação nível de serviço orkut presidente produto práticas contábeis recursos humanos redes sociais sistemas sustentabilidade talentos terceirização twitter valores youtube 11.638/07 11638 4 P´s 5 "S" ACCOUNTING Acurácia Adiantamentos Administração AlphaPremium Amazônia Anvisa Apple Ari Lopes Artigos. Palestras Assédio Moral Ativos Fixos Avaliação 360 graus Ayres Brito BB Bahia Bain Company Balanced Score Card Balanced Scorecard Banco do Brasil Blog do Professor Ari Blogger Blogs do Ari Boite Bradesco Bullying Escolar Business CAMBIO CEO CNJ CPC 30 CPC PME Capacidade Ociosa Capex Carnaval Censura Cestos Champy Change Management Ciência/Tecn. Consultor Financeiro Contabilidade Estratégica. Balanço Patrimonial Estratégico. Contabilidade Internacional Contingências Controladoria estratégica Controle dos estoques Cora Coralina Créditos de carbono Custos industriais DL 6976 Dilma Dinossauros E-commerce Ebooks Edelman Eficácia Emarketing Empresa de treinamentos Empresas feitas para vencer Estados Unidos Evitando contingências trabalhistas Excel Expedição FECOMERCIO FMCG Finanças Folha de São Paulo Forecast Fretes Gestão de pessoas Gestão interina Goobec Google Guru Haiti Hammer Headhunters INSS IPCA ISA ISO 9000 Indicadores de produção Informação contábil Informática Injustiça Inovação Instituto Royal Integração Interino Itaú Jim Collins Jovens Juizes Kaplan Leader Liderados Liderança e Ética Lideres Links patrocianados Livro M&A Manuais de Procedimentos Melhores práticas em vendas Melhores práticas nos estoques Melhoria Contínua Melhoria con tínua Millennials NWC Negociação Norma Contábil Normas e Procedimentos Nutrição OGSAM Orçamento Orçamento doméstico PEC 231/95 PIB Palestrante Ari Palestrante Professor Palestras Liderança Palestras Ética Pessoas Peter Drucker Plant Controller Polícia Praça Preço Procedimentos Professor Ari Promoção Propostas de vendas QI RKW ROI Rec. Humanos Recursos Rede Gospel Reestruturação Financeira Relatórios Financeiros Rendimento Representação de vendas Resultados Revista Veja Rui Barbosa SBU SWOT Sales Santander Saúde Saúde Completa Seminário Sergio Cabral Sistemas de Custeio Startups Supremo Tribunal Federal TIR TV a cabo Terceirização. Termos em inglês Teóricos Trabalho Trote Universitári Trânsito UFSCar UN USP Unibanco União Européia Valor Justo Vídeo Wal-Mart Y admissões agência de empregos antiética apostila aquecimento global arquivo PDF arrogância atitude aumentos avaliação de desempenho balanços big brother biotecnologia blog do Ari blogs carne catástrofe cliente clientes comercio virtual competência competências compliance conduct code consultores consultoria de custos consumidor consumo convergência convergênia copa 2014 cost accounting crimes crédito custos de serviços código de ética deputados desemprego devastação dinheiro e sexo eleições empresa empresas globais energia ethics excelência feed back ferramentas de gestão fiscalização fluxo de caixa fontes renováveis formação de líderes fraud geraldo alckmin geração Y gerenciamento gerente gestor gestores gestão de pessoas gestão estratégica gestão financeira globalização greenbuilding harmonização high potential importação inclusão indicadores indicaçoes informação integrity inventários investidores juizo juros liminar management manual contábil marketing social mediação medidas corretivas menor infrator mercado de trabalho modelos de gestão moral mpréstimo. comportamento multinacionais mídia negócio próprio normatização operações oportunismo organização os 4 p´s padaria padre padrões intenacionais painél de controle palestras custos peopledoors perdas perfis performance pesquisa plano de negócio população postagens povo previdência social produtividade; indicadores de desempenho projetos projeções proteção animal. ratocorp re-engenharia refoma contábil regra contábil rentabilidade responsabilidade responsabilidade civil responsabilidade social reuniões rodeios senadores sistemas integrados sites suporte supremo terremoto unidade de negócio variedades vegetarianismo vegetariano venda