quarta-feira, 15 de maio de 2019

PREVIDÊNCIA SOCIAL - A SOLUÇÃO PARA UMA CONTA QUE NÃO FECHA



#previdência  #reformaprevidência #deficitprevidencia

PREVIDÊNCIA SOCIAL - A SOLUÇÃO PARA UMA CONTA QUE NÃO FECHA

Escutamos frequentemente declarações que apontam para um crescimento explosivo no deficit da previdência.

O governo, imprensa e analistas normalmente se referem exclusivamente ao desequilíbrio de caixa, todavia sobre a  razão real do desequilíbrio normalmente não se comenta. Então, vou fazer uma análise básica sobre a real causa do problema da previdência social no Brasil.

A origem da previdência social no país ocorreu há quase um século ( meados de 1923), no entanto a previdência unificada no formato como é hoje surgiu em 1966, com o decreto 72 que fundiu os institutos de aposentadoria e pensões.

Independentemente de datas, vou diretamente ao ponto central:

A previdência social do Brasil deveria ter o tratamento que todo plano de previdência requer ou seja, deveria ser constituído uma reserva técnica, essa reserva ou fundo deveria ter sido formado mediante cálculos atuarias e os recursos deveriam ter uma gestão profissional.

A montanha de dinheiro que foi arrecadada pelos antigos institutos de previdência foram usados pelos governos, viraram paredes de prédios públicos, ajudaram a construir Brasilia e ajudaram a custear os imensos e mal administrados gastos da inchada máquina pública.

Hoje o governo espera pagar as pensões com as entradas de caixa. Isso é um erro grosseiro pois os ingressos ocorridos há décadas deveriam ter sido aplicados de forma a preservar o patrimônio dos contribuintes.

Os elevados recolhimentos da previdência vem sendo geridos de forma política e não técnica (http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=1206 ).

Se os recursos apurados pela previdência tivessem sido geridos tecnicamente a situação poderia ser muito diferente.

Por outro lado, o pagamento por parte da previdência de algumas pensões que não tiveram o recolhimento correspondente se constituem como saídas que não deveriam ser bancadas pelos cofres da previdência, pois como sabemos existem muitas benesses e outros benefícios que deveriam ser assumidos pelo governo e não pela previdência.

A solução para a previdência seria o governo reconstituir uma imensa reserva técnica, que seria um fundo calculado atuarialmente, após isso deve-se passar a gerir tal fundo dentro das melhores técnicas de gestão de fundos de pensão. Em paralelo devem aprovar a reforma da Previdência e mudar profundamente os injustos critérios praticados.

Uma boa alternativa para recompor o fundo da previdência seria dedicar uma porcentagem dos lucros apurados com o pré sal. O governo pode também destinar uma parte de suas reservas para o fundo da previdência assim como recursos obtidos com privatizações.

O governo e sociedade precisam além de focar no caixa da previdência que é uma conta que nunca fecha, privilegiar a reconstituição da reserva técnica que foi utilizada e destruída pelo governo.

Para começar que tal pegar uns 30% das reservas internacionais bem como todos os valores a serem obtidos com as privatizações, venda de ativos, etc. As ações das empresas que BNDS detem também poderiam passar a fazer parte das reservas da Previdência.

Outra ação necessária é separar a Previdência dos mortais, que somos nós, das previdência dos marajás. Não temos que pagar essa conta.

Neste momento em que o Projeto da Reforma da Previdência está no Congresso muitos estão achando que as pensões milionários irão diminuir. Mas não irão pois são direitos adquiridos e não podem ser mexidos.

Mas independentemente devemos e precisamos apoiar a reforma da Previdência mas ela é apenas um tijolo no edifício que precisa ser levantado para moralizar e viabilizar esse enorme problema.

Arilopes@alphapremiumconsultoria.com.br

Vejam mais em :

O que são Custos e Despesas Discricionários?




Um comentário: