SIGAM ESTE BLOG

segunda-feira, 20 de julho de 2009

MANIPULAÇÃO DE BALANÇOS SÓ SERÁ EVITADA COM REDUÇÃO DE PODER DAS ÁREAS FINANCEIRAS

MANIPULAÇÃO DE BALANÇOS SÓ SERÁ EVITADA COM REDUÇÃO DE PODER DAS ÁREAS FINANCEIRAS

São Paulo - As fraudes nos balanços praticadas por empresas e bancos, que levaram à crise financeira mundial, só poderão ser evitadas se as áreas financeiras das empresas não tiverem mais o poder de manipular dados em balanços, minimizando bons resultados em anos bons e maximizando maus resultados em anos ruins, como ficou evidente em vários momentos da crise econômica. A opinião é de John Wells, presidente do IMD, uma das mais importantes escolas de negócios do mundo, com sede na Suíça, que em agosto fará palestra no Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas - CONARH -, em São Paulo.

"O poder destrutivo da crise foi tão intenso, que os conselhos de administração das empresas não têm escolha a não ser adotar uma forma de liderança mais responsável, que mude as práticas nos níveis individual, corporativo e global. Esta é a única maneira que existe para sairmos do atual estado em que estamos de forma a evitarmos estes problemas no futuro", assinala Wells, que vem ao Brasil pela primeira vez.

Para Wells, líderes responsáveis têm que ter, necessariamente, uma visão de longo prazo, mas isto pode levar a conflitos com investidores ou acionistas que demandam resultados imediatos. Nesse sentido, a solução para problemas como este passa pela compreensão de que muitas empresas que buscavam resultados imediatos fecharam suas portas, foram vendidas, incorporadas ou perderam sua independência, o que exige uma reflexão sobre o que os controladores das empresas querem para o futuro.

"O que vimos é que as manipulações frequentes de balanços promovidas por algumas áreas financeiras de empresas levaram a uma situação onde os acionistas também perderam e sofreram muito com essa perda. Manipular sem limites leva, seguramente, a um colapso de grande magnitude. Hoje, muitos já sabem que o valor é criado pelo comportamento responsável. Até no que diz respeito à atração de melhores empregados, que atuam com mais motivação, a prática da responsabilidade empresarial é decisiva", explica Wells, que fará a palestra de abertura do CONARH 2009 ao lado do presidente do Banco Santander, Fábio Barbosa.
De acordo com Wells, é impossível atuar de modo responsável em organizações que não tratam os empregados de forma justa e equilibrada. Ele assinala que muitos executivos dirigem times de gestores por meio do estresse, estimulando a competição e levando-os à beira de uma crise de nervos, o que é uma péssima ideia:

"Não penso que exigir desempenho das pessoas seja um equívoco, mas é importante que os empregados estejam sempre aprendendo e se desenvolvendo durante o processo. Os gestores têm que construir uma sólida base de recursos humanos para as próximas pessoas que estarão trabalhando com eles e não só pensar nos seus interesses imediatos", adverte.
Segundo Wells, é evidente que a forma como os executivos de empresas e bancos vinham sendo remunerados, com participação em ganhos em função do crescimento do valor das ações, promoveu distorções que ajudaram a aprofundar a crise econômica. Nesse sentido, ele acredita que as empresas deveriam mudar a forma como remuneram seus principais executivos, evitando alinhar ganhos e desempenho de ações e considerando outros elementos na composição da remuneração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

getsitecontrol

Loja Virtual de Moda Fitness

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger... Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...